ABC da Saúde 2

 

 

Aumento, em regra patológico do acúmulo de gorduras no tecido conjuntivo difuso, com produção de lipomas mais ou menos circunscritos.

 

 

Afecção caracterizada por deposição simétrica de gordura acompanhada de dor, astenia e sintomas psíquicos. É mais comum na mulher na época da menopausa.

 

 

Define-se como a falta de sede de certos indivíduos, que podem estar muito tempo sem ingerir líquidos. A adipsia encontra-se também entre alguns alienados (melancólicos, confusos, dementes, etc.).

 

 

Substância química adicionada aos alimentos com fins de conservação, como aromatizante ou corante, aumentando o tempo de duração do alimento. Alguns destes produtos são colocados como suspeitos de desencadeamento de neoplasias.

 

 

Diz-se das fibras nervosas do sistema neurovegetativo cujas terminações agem pela liberação da adrenalina ou de noradrenalina, ou da resposta de algum medicamento, similar ao efeito da adrenalina.

 

 

Género de mosquitos (pernilongos) cosmopolitas, cuja espécie mais importante é a Aedes aegypti (pernilongo rajado), transmissora da febre amarela e dengue. A sua ocorrência geralmente é silvestre, porém pode invadir áreas urbanas e desenvolver-se, utilizando como criadouro, recipientes com águas paradas, como vasos, latas, pneus abandonados, etc.;  sua presença em áreas urbanas e seu grau de contaminação pelos vírus da febre amarela e dengue é monitorada pelo Ministério da Saúde.

 

 

Processo metabólico que ocorre com o uso de oxigénio, gerando energia. O termo define também a forma de exercício de contracção alternada de músculos, onde o metabolismo de fornecimento de energia ocorre por acção de fornecimento contínuo de oxigénio na célula.

 

 

Conjunto de perturbações causadas pelo consumo excessivo de álcool. O alcoolismo agudo provoca perturbações ao nível do comportamento e da atenção. No caso do alcoolismo crónico, este implica graves lesões digestivas, hepáticas, cardíacas, neurológicas, psiquiátricas. Atenção, o álcool é uma droga; a sua desintoxicação nunca é simples.

 

 

Reacções intensas e anormais (conjuntivite, asma, eczema, febre-dos-fenos, tosse convulsa, urticária) a certas substâncias extrínsecas (pólen, ácaros, picadas de insectos, medicamentos, produtos químicos). Algumas destas reacções são emergências médicas (edema de Quincke, choque anafiláctico, crise de asma, urticária gigante).

 

 

Procedimento pelo qual as superfícies da raiz de um dente são alisadas para tratar e facilitar o processo de ligação da gengiva ao dente, em casos de periodontite.

 

 

Ausência dos períodos menstruais numa mulher em idade fértil. A amenorreia primária ocorre nas adolescentes devido a problemas locais ou hormonais. A amenorreia secundária, na mulher menstruada deve-se a distúrbios endócrinos, doença do útero ou dos ovários.

 

 

Inflamação das amígdalas, do palato da faringe por bactérias ou vírus, por vezes confundida com uma reacção local durante uma gripe ou uma rinofaringite. Tenha em conta que , manchas esbranquiçadas, ulcerações sobre as amígdalas, dores, gânglios inchados, febre alta, necessitam sempre de avaliação médica.

 

 

Sentimento penoso de inquietação, insegurança e sofrimento, acompanhado de sensação de aperto na garganta, dificuldade em respirar, palpitações, suores, diarreia. A angústia corresponde à vivência mental da ansiedade e do stress excessivo. A repetição destes estados pode ser sinal de um problema mais profundo que necessita de tratamento.

 

 

Perda ou redução significativa do apetite que pode ser provocada por perturbações alimentares, certos medicamentos ou doença hepática. Por vezes, tem origem psicogénea (anorexia mental da adolescente). Uma anorexia prolongada com perda de peso é sempre um problema médico.

 

 

Dispositivo, fixo ou removível, que se coloca para endireitar ou corrigir a posição dos dentes.

 

 

O apêndice encontra-se ligado ao cego (segmento inicial do intestino grosso ou cólon) e tem uma forma cilíndrica, como uma minhoca, com alguns centímetros de comprimento. Encontra-se geralmente na região inferior direita do abdómen. A Apendicite Aguda é uma inflamação do apêndice, provocada geralmente por uma infecção que se desenvolve por obstrução da sua abertura no cego. Esta obstrução pode ser causada por um fecalito, isto é, um fragmento de fezes duras, ou pelo tecido linfático do próprio apêndice que se inflama e incha. Em muitos casos, a razão da inflamação não é conhecida.

 

 

Inflamação aguda ou crónica das articulações, causada por bactéria ou vírus, mas inserida, em geral, em doenças reumáticas multissistémicas de etiologia auto-imune, como a artrite reumatóide. A Artrite provoca inchaço, dor, vermelhidão e calor locais. Uma articulação próximo de uma ferida que fica repentinamente vermelha, quente e dolorosa constitui uma urgência médica.

 

 

Doença crónica degenerativa não inflamatória das articulações, acompanhada de dores, estalidos, deformações e incapacidade motora. Ocorre geralmente depois dos 50 anos; pode afectar apenas uma articulação (anca, joelho, ombro) ou um conjunto de articulações (vértebras, dedos).

 

 

Crises de falta de ar, muitas vezes nocturnas: dispneia expiratória. Os factores alérgicos, neuroendócrinos e psíquicos são cruciais para o diagnóstico. A evolução irregular da doença é influenciada pelo clima, estações do ano, infecções locais. Certas crises devem-se a doenças cardíacas ou renais. O acompanhamento médico é essencial.

 

 

Estado de esgotamento físico, associando incapacidade perante o esforço e cansaço intenso (muscular, nervoso, mental). Este esgotamento é provocado por diversas doenças (gripe, hepatite, depressão), diarreias intensas stress, depressão, alguns medicamentos. Não deve deixar avançar um estado de astenia sem consultar um médico.

 

 

Doença arterial degenerativa, atingindo sobretudo as artérias aorta, carótidas e coronárias, artérias do cérebro e dos membros. As placas de ateroma (depósito de gorduras, proliferação de fibras e calcificação) obstroem os grandes vasos e dificultam a circulação sanguínea. Os factores de risco são a hereditariedade e o tabaco. A aterosclerose pode provocar enfarte (miocárdio, cerebral) e arterite.

 

 

Remoção de manchas no esmalte dos dentes por aplicações repetidas de uma solução oxidante.

 

 

Inflamação aguda das mucosas traqueobrônquicas, muitas vezes na sequência de uma infecção rinofaríngea ou laríngea, bacteriana ou viral (gripe). Provoca tosse seca dolorosa, febre, sensação de ardor no peito, ligeira dispneia. Nos casos de recém-nascidos, crianças ou o idosos, o acompanhamento médico é essencial.

 

 

Inflamação difusa que obstroi os brônquios e provoca crises de tosse e de expectoração purulenta. Para fazer o diagnóstico de bronquite crónica, é necessário que as crises durem um mínimo de três meses por ano e se prolonguem pelo menos por dois anos. A dispneia frequente atinge principalmente o fumador acima dos 50 anos. A doença evolui para enfisema pulmonar e insuficiência respiratória.

 

 

Contracção involuntária, intensa, dolorosa, de um músculo ou grupo muscular, que por vezes ocorre durante a noite. As cãibras são muitas vezes devidas a transpiração, esforço físico, frio, alcoolismo, diarreia, medicamentos, uremia. São também frequentes no final da gravidez. Por volta dos 50 anos, a cãibra no tornozelo ou na «barriga» da perna durante a marcha é sinal de aterosclerose (arterite).

 

 

Os cálculos biliares são aglomerados de material sólido que se formam na vesícula. Normalmente, assemelham-se a pequenas pedras. Estas podem ser tão pequenas como simples grãos de areia ou assumir dimensões suficientes para ocupar toda a vesícula. A maior parte dos cálculos têm dimensões inferiores a uma ervilha e precisam de alguns anos para se desenvolver. Há 2 tipos de cálculos; os mais comuns são formados a partir de colesterol. Os restantes são chamados cálculos pigmentares e formam-se a partir de cálcio e de fragmentos de glóbulos vermelhos do sangue.

 

 

Ocorre no homem de 25–30 anos habitualmente de cabelo oleoso. Na mulher, ocorre devido a problemas de saúde ou uso de produtos capilares. A calvície, também conhecida por alopecia, é por vezes reversível se surge após choques emocionais, quimioterapia, infecções. A tinha da cabeça que causa alopecia localizada é uma infecção fúngica contagiosa.

 

 

Micose que atinge certas mucosas. Nas da boca: estomatite difusa até à faringe com placas de um branco-cremoso (sapinhos). Nas mucosas genitais: corrimento cremoso, prurido (comichão) intenso. Antibióticos, pílula, gravidez, menopausa e diabetes favorecem o seu aparecimento. A tendência para o seu agravamento impõe acompanhamento médico.

 

 

Deterioração dos dentes causada por bactérias existentes na placa bacteriana. As bactérias decompõem os resíduos alimentares, libertando ácidos que corroem o esmalte, a dentina e, por fim, a polpa do dente. Trata-se, removendo a área cariada e com a restauração da cavidade obtida.

 

 

Pequenas escamas provenientes da eliminação da camada superficial do couro cabeludo. Soltam-se facilmente dos cabelos. Produzidas excesso quando o cabelo é demasiado gorduroso ou demasiado seco.

 

 

Dor de cabeça devido a uma causa local (sinusite, otite, visão deficiente) ou geral (dismenorreia, gripe, insolação, hipertensão, medicamentos, meningite). Quando acompanhada de febre, vómitos e rigidez da nuca, a cefaleia é uma urgência médica (meningite), tal como uma dor periorbital repentina ao acordar em pessoas de cerca de 60 anos.

 

 

Infiltração irregular do tecido subcutâneo por nódulos dolorosos localizados (pele de laranja). A maior parte das vezes, ocorre na mulher durante a puberdade, menopausa e gravidez. Localiza-se principalmente nas ancas, coxas e nádegas, mas também nos braços e no abdómen.

 

 

A cirrose é um processo que resulta duma agressão hepática continuada. Geralmente quando o fígado sofre uma agressão aguda, as células hepáticas morrem, mas o órgão regenera-se sem deixar cicatrizes. Na cirrose, o processo de cura falha e desenvolve-se tecido cicatricial. É este processo que conduz à cirrose. O normal fornecimento de sangue fica comprometido, levando a que o fígado tenha dificuldade na execução das suas funções. Uma vez iniciado o processo, a cirrose torna-se irreversível, mesmo que a causa que o provocou seja removida ou eliminada. Contudo, o processo de cirrose pode ser desacelerado ou até mesmo travado com a terapêutica.

 

 

Aparecimento súbito de dor (abdómen, púbis), de ardor ao urinar. Urinar repetidamente e em pequenas quantidades. As cistalgias estão habitualmente relacionadas com infecções geniturinárias, cistites, prostatismo, malformações e litíases. Deve consultar o médico em caso de cistalgia com febre.

 

 

Inflamação da conjuntiva de origem bacteriana (casos agudos), viral ou alérgica (sol, pó, pólenes). Provoca olhos vermelhos, lacrimejantes, sensação de areia nos olhos. O tracoma (conjuntivite infecciosa) pode evoluir para a cegueira. Deve consultar um médico se a vermelhidão persistir ou tiver sido causada por corpo estranho (possível traumatismo ou ferimento).

 

 

Rinite viral benigna, com obstrução e secreção nasal abundante, espirros e ligeira dor de garganta. Por vezes, ocorre um pouco de febre e cefaleias. Dura cerca de uma semana. Pode por vezes complicar-se com uma sinusite.

 

 

Traumatismo das partes moles, sem ferida ou lesão óssea. Edema doloroso, hematomas. A repetição destas lesões pode significar anomalia vascular ou sanguínea. As contusões ocorrem depois de quedas frequentes devido a perturbações de equilíbrio, maus tratos, etc. Provoca dores violentas, contusões múltiplas, desmaio,e por vezes traumatismo craniano.

 

 

Cobertura de metal ou porcelana para a coroa de um dente.

 

 

Reumatismo degenerativo, que atinge a articulação da anca depois dos 50 anos. Provoca dores na anca e coxa ao andar ou no esforço, dor com irradiação ao joelho, incapacidade funcional e coxear progressivo. Atinge frequentemente os antigos desportistas de futebol, râguebi, entre outros. Por vezes, é necessário cirurgia.

 

 

Remoção, com uma cureta, dos tecidos doentes do revestimento de bolsas periodontais formadas entre a gengiva e a raiz dos dentes, em caso de periodontite.

 

 

Sofrimento moral, autodepreciação, sentimento de culpabilidade, apatia, perturbações do sono, do apetite e sexuais. Pode ser sazonal, quando ocorre após luto, insucessos ou desilusões, parto ou doença ou devido a causas psíquicas profundas. Na criança, a agitação pode substituir o abatimento. Consulte o seu médico.

 

 

Remoção de placa bacteriana e tártaro em torno da linha da gengiva para evitar ou tratar doença periodontal. Faz-se com um instrumento de aresta afiada ou um instrumento ultra-sónico.

 

 

Evacuação de fezes líquidas mais de três vezes por dia. A diarreia aguda é causada por comida deteriorada, infecções, parasitas, medicamentos; risco de desidratação. No caso da diarreia crónica as causas são: alergia, doenças intestinais, parasitas, medicamentos. Provoca abatimento, vómitos, febre e constituem urgências médicas, deve por isso consultar um médico em caso de diarreia prolongada.

 

 

Antes das refeições, podem ocorrer náuseas, mau hálito, língua saburrosa, ardor no esófago. Após as refeições, provoca aerofagia, eructações, gases, peso no estômago e ardor. Consulte o seu médico no caso de perturbações recentes acompanhadas por emagrecimento, sobretudo depois dos 40 anos.

 

 

Pequenas vesículas transparentes, em grupos de três ou quatro, que aparecem sobre a palma da mão, face lateral dos dedos (palmária) ou planta do pé (plantária), sobretudo na Primavera e no Verão. Provocam comichão intensa e desaparecem numa semana.

 

 

Dores pélvicas com cefaleias e náuseas, antes ou durante a menstruação. Frequente depois da puberdade, é aliviada pela pílula, as relações sexuais regulares e a gravidez. Deve consultar sempre o médico em caso de dismenorreia recente numa mulher com períodos menstruais normais.

 

 

Dores na região hepática (hipocôndrio direito), com perturbações dispépticas, por vezes dores de cabeça. Ocorre devido a uma descarga anormal da bílis através das vias biliares e a contracções anormais da vesícula biliar. Corresponde (com a colite espasmódica) à tradicional «crise de fígado».

 

 

O cólon (intestino grosso) é uma estrutura tubular que armazena e posteriormente elimina as fezes. À medida que a pessoa envelhece, a pressão dentro do cólon causa o aparecimento de pequenos sacos na parede do cólon. Estes pequenos sacos são chamados divertículos. Os divertículos podem ocorrer em qualquer parte do cólon, mas são mais comuns na parte terminal do cólon esquerdo, chamada sigmoideia (ou cólon sigmoideu). À existência pura e simples de divertículos chama-se diverticulose. A maioria dos doentes com diverticulose têm poucos ou nenhuns sintomas. Falamos em doença diverticular quando a presença de divertículos gera consequências na saúde do doente, isto é., causa sintomas. Quando um divertículo fica infectado passamos a falar de diverticulite. Neste caso, o doente passa a referir dor abdominal e febre. Os divertículos podem também originar hemorragia – hemorragia diverticular. A diverticulose é rara em indivíduos com idade inferior a 40 anos e a sua prevalência aumenta com o avançar da idade, atingindo mais de 50% da população urbana acima dos 60 anos.

 

 

A doença celíaca é uma doença crónica do intestino que surge em pessoas com predisposição genética para desenvolver a doença quando ingerem alimentos contendo glúten. A ingestão do glúten vai provocar alterações típicas no intestino que impedem a absorção normal dos nutrientes, e é característico da doença o desaparecimento dessas lesões quando se faz uma dieta isenta de glúten.

 

 

Inflamação e infecção as gengivas resultante de acumulação de placa bacteriana e tártaro ao longo da margem gengival. Agengivite e a periodontite são duas fases da doença periodontal.

40223802827265192831.gif